Entrevista com Srila Govinda Maharaj a revista Planeta em 1984


O Movimento Pela Paz

Publicada na Revista Planeta Edição 263 - Ano 22 - Nº 8, Agosto de 94

Por Mirna Grzich e Bhuvana Mohan Prabhu
Participação especial de Sripad Palak Krishna Prabhu (Paulo Maluhy)

  Srila Govinda Maharaj nasceu no interior do Estado de Bengala, na Índia, numa família de mestres espirituais da milenar tradição Vaishnava (os devotos de Vishnu que compuseram os textos védicos). Aos 17 anos, tornou-se discípulo de Srila Bhakti Raksak Sridhar Dev-Goswami Maharaj, a quem serviu por cerca de 50 anos.

  Antes de sua morte, Srila Sridhar Maharaj reuniu seus discípulos e comunicou-lhes seu desejo de nomear Srila Govinda Maharaj como o sucessor de sua linha discipular. Desde então, a pedido de seu mestre, Srila Govinda Maharaj já viajou cinco vezes pelo Ocidente (25 vezes hoje, em 2009) estabelecendo ashrams, lançando livros, iluminando discípulos e fazendo amigos em muitos países.

  No final de junho ele visitou o Brasil pela primeira vez. Em São Paulo, inaugurou seu ashram devocional, onde reuniu por dez dias, centenas de discípulos e amigos.


Como o senhor se sente em vir pela primeira vez ao Brasil?
Estou muito feliz de ver a cidade de São Paulo e a paisagem deste Brasil. Sabia de ouvir falar e agora estou vendo que São Paulo é muito organizada.

Neste momento atual do planeta, o que representa a sua visita, trazendo a palavra de Krishna?.

Não sinto que estou em outro país. Quando estava lá na Índia, também sentia o Brasil como sendo meu país. Meu sentimento independe de onde estou. Sinto-me muito feliz de poder ir onde há devotos conectados com a consciência de Krishna.

Qual é a essência dessa consciência de Krishna?

Nosso conceito de Krishna está descrito nos Vedas, no Vedanta e nos Upanishads. Podemos afirmar que nenhuma dessas Escrituras está orientada por nenhum "ismo" sectário; lidam com o "ismo" próprio da alma-jiva. Escrituras como o Srimad-Bhagavatam, o Bhagavad-Gita, o Vedanta, etc., mencionam em várias partes que Krishna é a Suprema Personalidade de Deus, que todos provimos dEle, que Ele é o desfrutador, e nós, os supridores de Seu desfrute. É desse modo que Krishna obtém Sua felicidade, e nós obtemos ainda mais felicidade de Krishna.

É através do afeto e do amor que podemos satisfazer a consciência de Krishna. Ele é dotado de superpoder. Sua identificação principal é que Ele vive em pleno amor, beleza, encanto e afeto. Krishna pode ser como nosso pai, nosso esposo, amigo, servo, amante, e todo êxtase está atuando naquela Sua morada, Krishnaloka, e nós, na verdade, somos membros dessa morada.

Por mal utilizarmos nossa liberdade, e desafortunadamente, encontramo-nos agora aqui, tendo sido atraídos por este meio ambiente ilusório. Mas Krishna deseja nos levar à Sua morada com nosso pleno consentimento e liberdade.

E como o senhor se sente com tantas guerras, falta de paz e liberdade no planeta?

A consciência de Krishna sempre produz a paz mental. Isto é, se fizermos com que nosso relacionamento com os demais se dê em amor, então todos os conflitos mentais desaparecerão. Também nosso processo na linha da consciência de Krishna consiste em tentarmos ajudar uns aos outros. É dito que nosso processo é de mantermos boa associação, sermos tolerantes, humildes e oferecermos sempre honras aos demais.

Se todas as pessoas seguirem o processo prático da consciência de Krishna, como nos foi ensinado por Sri Chaitanya Mahaprabhu (no século 15/16), não haverá nenhum tipo de conflito entre os homens. Somos seguidores do processo dado por Ele: humildade, tolerância e oferecer todo respeito aos outros. Então, os conflitos deverão cessar.

Sempre existem conflitos entre os países. Isso é normal neste mundo material. Mas, o problema de fato é que não sabemos quem somos. Esta onda que está quebrando por todo o universo, e que é conhecida como o nascimento e a morte, pode tirar-nos de qualquer lugar e atirar-nos em qualquer outro lugar. Assim, hoje eu sou hindu, amanhã poderei ser brasileiro e depois de amanhã, russo.

Se pudermos compreender essa consciência, faremos parte do mesmo grupo em cuja existência de plena consciência existe beleza, encanto, amor e afeto. Então, nosso espírito combativo desaparecerá e tentaremos auxiliar uns aos outros. Mas para isso, devemos adotar o processo que foi ensinado por Sri Chaitanya Mahaprabhu: se eu agir com plena humildade, se eu não perturbar você, então sua perturbação mental não retornará a mim. A humildade concede essa qualidade. Em seguida, vem a tolerância. Todos podem errar, mas lhes daremos a oportunidade de se corrigir. Se eu me comportar com as pessoas com tolerância e pleno afeto, elas nunca se tornarão inimigas.

Mas a consciência de Krishna não é a riqueza particular de nenhum país, é a riqueza de todos. Se vivenciarmos a respeito de Krishna, poderemos compreender quem Ele é. Talvez nossa vivência não seja perfeita, mas se nos associarmos com quem tiver algum sentimento a respeito, poderemos vivenciá-lo. Então, obteremos algum conhecimento sobre o assunto.

Quando vim ao Ocidente, eu me senti muito feliz, pois na América o que primeiro vi foi a frase escrita no dólar que declarava a crença em Deus. Eu nunca vi nada igual em nenhum outro país; nem sequer na Índia. Fiquei muito feliz de ver que em todas as Américas as pessoas têm uma natureza muito simples e direta, não fazem diplomacia como em outros países e, contudo, possuem tamanha riqueza. E de que modo surgiu essa riqueza? Surgiu por acreditarem em Deus. Quem acredita em Deus deve obter alguma boa qualidade, e essa boa qualidade é a fé nos outros. Quem acreditar em Deus terá fé nos seus amigos, parentes, irmãos ou concidadãos.

O senhor tem alguma expectativa em relação ao mundo atual?

Expectativa eu possuo muita, mas já foi satisfeita – penso assim. Veja, este Mahamantra Hare Krishna é o Mahamantra da Kaliyuga (a era atual), que começou quando surgiu entre os homens a tendência à desavença, e os países entraram em conflito. Contudo, se todos cantarem o Mahamantra, essa era cessará. E eu tenho visto isso acontecer em cada canto do mundo atual, até mesmo na Rússia!

Quando penso a respeito, fico surpreso de pensar que um mantra está dando a volta ao mundo e que ele é descrito como sendo o melhor mantra para a Kaliyuga.

Isso me traz uma felicidade extrema, pois eu sei que esse Mahamantra por si só é capaz de conceder paz à mente de cada um ou de cada país. E ninguém que estiver praticando a consciência de Krishna poderá de maneira alguma ingressar na linha da violência. Não apenas evitará a violência mas sentirá que é seu dever ajudar e não destruir os outros. Não conseguirá matar sequer um inseto que seja.

Cada país está expressando a idéia de que precisamos de paz. Podem existir métodos variados para isso, mas está provado que, hoje em dia, todos desejam viver num mundo de paz, e eu digo que esse dia não está longe. Esperamos isso de todos os países; esperamos o amor, a beleza e o afeto. E não ficarei surpreso quando todos juntos estivermos cantando o Mahamantra Hare Krishna.

Alguns gurus não estão trazendo a consciência de Krishna, pois são imitadores. Que conselho o senhor daria aos devotos inocentes para que pudessem evitar os gurus de imitação?

Se você é um buscador sincero, sua honestidade o levará ao sadhu (sábio-santo) perfeito. Isso dependerá dos méritos espirituais acumulados em sua alma. Tanto sinceridade quanto honestidade advirão através desses méritos.

Nos Upanishads está dito que: "Nem o palestrante versado, altamente qualificado, nem aquele que é dotado de uma refinada inteligência poderão obter conhecimento transcendental tão facilmente, pois este descende de um nível superior. E nem sequer aquele que conhece todas as escrituras estará capacitado a obter essa consciência de Krishna." E quem pode obtê-la? Somente quem for um pesquisador sincero e estiver plenamente rendido, o que se dá por intermédio de um bom mediador, que é chamado de guru.


Que tipo de conexão as pessoas do Brasil podem ter com o senhor no plano do serviço?

Você disse conexão, mas eu não me sinto grande ou nada, e sim que meu Guru Maharaj é perfeito em seu sentimento devocional, o que mostrou quando estava neste planeta como um devoto. É por sua vontade que eu vim até aqui e, se as pessoas quiserem buscar pela consciência de Krishna, eu tentarei auxiliá-las, dentro de minhas possibilidades. E ao se sentirem satisfeitas deverão tentar servir a meu Guru Maharaj. Isso é possível em todos os países e não apenas na Índia. No Brasil, Bhuvana Mohan Prabhu já começou a nossa missão. Ele deu início agora a um ashram em nome de meu Guru Maharaj e também em conexão comigo. Quem mantiver conexão de afeto e amor comigo poderá auxiliar esta missão aqui no Brasil.


Há quem fale da encarnação de um importante avatar aqui no Brasil. Seria o país a capital de uma espiritualidade mundial?

Na verdade, o Brasil é um país muito auspicioso. Uma região onde as árvores crescem felizes, onde a terra está feliz dando frutos e contente produzindo tantas matérias-primas. Eu estou percebendo aqui todos esses sintomas. As pessoas são simples de coração e seu estilo de vida não é muito luxurioso; estão buscando por uma verdade superior. E é por isso que pensam que aqui no Brasil deverá haver uma encarnação do Senhor.

Ouvi de meus Gurus que o Senhor Vishnu está vivendo neste país para sempre. É por isso que Srila Bhaktivedanta Swami Parabupada usou essa expressão (dizendo que Vishnu morava aqui), e ele não mente; por isso, tem de haver alguma potência transcendental aqui. Posso dizer que no futuro, o Brasil poderá orientar outros países a respeito da religião. Tenho esperanças de que, no futuro, haverá no país um programa muito exaltado de divulgação da consciência de Krishna. E não tenho dúvidas de que as pessoas deste país se iluminarão.

Até onde pode o ser humano explorar a natureza sem se preocupar com as gerações futuras? Fale-nos a respeito da fórmula que é capaz de produzir uma revolução no coração da civilização materialista de nossos dias.

Isso está vindo gradualmente. É como acontece na nossa vida: a criança se torna jovem, cresce mais e constitui família; torna-se pai, de pai chega à posição de ancião. Atualmente, também estamos vendo muitas coisas acontecendo na Terra.

A Índia já foi muito jovem em religião, e gradualmente obteve alguma experiência. Mas também gradualmente o poder da Índia decaiu, e decaiu seu poder religioso. Vendo isso, Sri Chaitanya Mahaprabhu deu-nos essa fórmula: "Nesta Era de Kali, a Era da Desavença, não há outra maneira de se alcançar a auto-realização além do cantar dos santos nomes de Deus." Este é o conselho de todas as Escrituras.

Mahaprabhu disse que na Kaliyuga, se você sentir perturbação, deve se abrigar no Senhor, e toda perturbação desaparecerá.

Ele disse ainda que o Senhor e Seu nome são idênticos. Isto é, se acreditamos que o Senhor tem forma e que essa forma é transcendental – como e dito nos Vedas que Deus não tem pernas mas pode correr, não tem mãos mas pode pegar, e mesmo sem ter olhos pode ver tudo–, então, poderemos compreender que Ele possui tudo mas não é igual a mim, não é igual a nós. Então, quando buscamos o abrigo do Senhor na forma do Harinam (Seu santo nome), percebemos que Ele pode ver-nos, ouvir-nos, nutrir-nos, dar-nos Seu abrigo e Seu amor, e que obteremos tudo dEle. E quando chegar esse dia, todas as almas espirituais tentarão compreender o que é esta fórmula e prosseguirão agora dentro do sentimento de devoção. E terão de ser beneficiadas.

Agora, eu acredito que esse dia não está tão longe. No dia 16 de julho, algo acontecerá. Brihaspati, ou seja, Jupiter, deverá ser atingido por um grande cometa. Se isso acontecer, então terá de acontecer uma revolução em Júpiter. E essa revolução repercutirá aqui também. Dizem que a reação não nos atingirá, mas eu digo que sim. E por quê? Porque a Terra está vivendo dentro do éter, e o éter pode correr a toda parte do universo. Ainda que não possamos ver esse raio que virá pelo éter, assim como não podemos ver o poder dos raios cósmicos mudando tantas coisas na linha da astrologia, podemos sentir que alguma reação chegará até nós aqui na Terra. E se estivermos abertos para receber essa reação, isso mudará nosso sentimento de exploração, permitindo que cresça o sentimento de dedicação. Sendo que ainda é possível que surja, na mentalidade das pessoas, o sentimento da renúncia. De que modo isso acontecerá, não posso dizer. Mas é tão natural quanto sabermos que depois que o Sol se põe, nasce a Lua, e quando a Lua se põe, o Sol nascerá novamente. Esta é a natureza dos ciclos.