Qual a importância do amor na separação por Krishna?

 Srila Visvanatha Cakravarti Thakura cita o Natya-sastra de Bharata Muni:
 
  "Não se aprecia em plenitude o contato direto enquanto não se experimentou a separação".

O que Krsna cantava quando encontrou com as gopis antes dança da rasa ?


Krishna cantou as glórias da lua de outono, do luar e do rio cheio de lótus, enquanto as gopis apenas cantavam Seu nome repetidamente.
Sri Visnu Purana

Como desenvolver amor por Krishna?

Krishna responde:
"O amor transcendental por Mim nasce mediante os processos devocionais de ouvir sobre Mim, ver a forma de Minha Deidade, meditar sobre Mim e cantar com fé Minhas glórias".
Bhag. 10.29.27

Qual a principal atividade de um devoto de Krsna?


   Nossa principal atividade é sravam e kirttan - oferecer sua audição perfeita a um bom Vaisnava e então tentar pregar o que você ouviu aos demais para o benefício deles e seu próprio. Este é o conselho de Mahaprabhu.


Palvras de  Srila Govinda Maharaj.

O MAHA MANTRA HARE KRISHNA



Hare Krishna Hare Krishna
Krishna Krishna Hare Hare
Hare Rama Hare Rama
Rama Rama Hare Hare

Aguns sintomas de Kali-yuga


A religião, a veracidade, a limpeza, a tolerância, a misericórdia, a duração de vida, a força física e a memória, todas diminuirão dia a dia em virtude da poderosa influência de Kali.

Em Kali-yuga, só a riqueza será considerada sinal de bom nascimento, comportamento adequado e boas qualidades. E a lei e a justiça serão aplicadas apenas com base no poder do indivíduo.

Homens e mulheres viverão juntos por causa da mera atração superficial. O sucesso nos negócios dependerá de fraudes. A feminilidade e a masculinidade serão julgados segundo a perícia sexual da pessoa.

A dignidade do homem será seriamente questionada se ele não tiver um bom salário. E considerar-se-á um intelectual erudito quem for muito esperto em malabarismo verbal.

A pessoa será profana se não tiver dinheiro, e a hipocrisia será aceita como virtude. O casamento será feito apenas por acordo verbal.
Capítulo 2 do Canto 12 do Srimad Bhagavatam

Um breve resumo da vida de Sua Divina Graça Om Vishnupada 108 Sri Srimad Srila Bhakti Promode Puri Maharaj Thakur Mahashaya

Tridandi Swami Srimad Bhakti Promode Puri Maharaj apareceu na vila de Ganganandapur, Distrito Jessore (agora em Bangladesh), como filho de Sri Tarini Charan Chakravarty e Srimati Ram Rangini Devi. No dia 8 de outubro de 1898, na hora auspiciosa brahma-muhurta, deram-lhe o nome Sri Promode Bhushan Chakravarty.
O humor para o serviço reverente de Promode Bhushan foi evidente desde quando era jovem. Ele adorava as Deidades da família, Sri Sri Radha Gopinatha, junto com o estudo de sânscrito. Certa vez, no inverno, ele se esqueceu de cobrir os Senhores com o cobertor. Nessa noite, ele começou a tremer de frio com febre. O Senhor apareceu para ele no sonho e mostrou-lhe que estavam sem cobertor. O jovem Promode Bhushan levantou-se imediatamente e cobriu os Senhores, depois sua febre cedeu.
   Promode Bhushan terminou seus estudos secundários em Baruipur perto de Diamond Harbour e foi estudar química na Faculdade Bangabasi, em Calcutá. Em 1917, encontrou-se com seu Guru, Prabhupada Srila Bhaktisiddanta Sarasvati Goswami Thakura. Desde o primeiro encontro, Sri Promode Bhushan aceitou Prabhupada em seu coração como seu mestre eterno. Seu forte apego pela vida espiritual o levava regularmente às palestras de seu Guru no ashram da Gaudiya Math em Calcutá. Em 1923, no dia sagrado Sri Krishna Janmastami, ele se rendeu aos pés de lótus de seu Guru e recebeu harinama e mantradiksa. Desde então, foi conhecido como Sri Pranavananda Brahmacari.
   A atitude para serviço de Sri Pranavananda era tão exemplar que logo seu Guru ocupou-o como o editor das publicações da Gaudiya Math. Pranavananda Brahmacari resumia as palestras de Srila Sarasvati Thakura, elaborava-as, com a aprovação de Srila Prabhupada, e as publicava em vários periódicos, inclusive o Dainika Nadiya Prakasa, o único jornal espiritual diário do mundo. Em reconhecimento de sua erudição e pesquisas históricas, Sarasvati Thakura honrou-lhe com o título Mahopadesaka Pratna-vidyalankara. Ele serviu seu Guru em companhia pessoal por treze anos.
   No início da Gaudiya Math, ele era famoso como o melhor líder de Kirtana e cantava em programas de rádio com freqüência. Ele também ganhou sua reputação devido a seu extenso conhecimento e prática meticulosa da adoração à Deidade, e dos rituais de instalação de Deidades e construção de Templos. Seu serviço a Srila Sarasvati Thakura nessas áreas o tornou famoso como Pujapada.
   Na hora do aprakata-lila de Srila Prabhupada, Sri Pranavananda Brahmacari segurou os pés de lótus de seu Guru em seu peito para que ficassem para sempre entronados em seu coração. Após o desaparecimento de Srila Prabhupada, ele começou a pregar e viajar extensivamente.
   Ele aceitou a ordem de renúncia sannyasa em 1942 quando recebeu o nome Tridandi Swami Bhakti Promode Puri. Depois de servir como pujari principal e presidente do templo Sri Yogapitha (local de nascimento de Sri Chaitanya Mahaprabhu) por sete anos, ele mudou para uma cabana humilde na margem do Ganges junto com suas amadas Deidades, Sri Sri Radha-Gopinatha, a fim de dedicar sua vida aos estudos intensivos das escrituras e à adoração solitária. Em 1958, aceitou a oferta do rei de Burdwan para servir às Deidades no antigo templo Ananta Vasudeva em Kalna. Após muitos anos de serviço, ele foi para a Sri Chaitanya Gaudiya Math, a pedido de Srila Bhakti Dayita Madhava Goswami para ser o editor da revista mensal, Sri Chaitanya Vani. Ele também foi editor chefe da Sri Gaudiya, uma publicação mensal da Sri Chaitanya Math. Srila Puri Maharaj continuou a cumprir seu trabalho com muito carinho e devoção até a idade avançada de 97 anos.
  Srila Puri Maharaj deixou nossa visão em novembro de 1999 com 102 anos nesta Terra. Nessa época, ele era o Gaudiya Vaisnava mais velho do planeta. Muito mais do que por causa de sua posição sênior e qualidades elevadas, muitos devotos (inclusive de países ocidentais) se atraíram a ele devido à sua personalidade divina, da qual emanam doçura e amor. Ele é visto por seus discípulos como o guia benquerente para o reino espiritual. A abertura da Sri Gopinath Gaudiya Math em Ishodyan, Mayapur, durante a celebração de Gaura Purnima em 1989 providenciou um portal para o reino espiritual.

De todos tipos de angústia, qual a mais dolorosa?


  Sri Chaitanya Mahaprabhu fez essa pergunta e Sri Ramananda Raya respondeu: "Além da separação do devoto de Krishna, não conheço nenhuma outra infelicidade insuportável".

(Cc. Madhya 8.248)

Este universo é real ?


Srila Madhvacarya confirma: "Este universo , criado pelo Senhor, é real". Como objeto de prazer ou residência permanente para as almas condicionadas, o Universo material sem dúvida é ilusório, nada mais que um sonho.

S. B. 10.14.22

As jivas estão situadas na tatastha-svabhava(margem). Por que é que algumas jivas vão dali para o mundo espiritual e outras para o mundo material?



  As qualidades de Krsna estão também presentes na jivas, mas em quantidade diminuta. Krsna é supremamente independente, portanto, o desejo de ser independente encontra-se eternamente presente também nas jivas. Quando a jiva utiliza sua independência corretamente, ela mantém sua inclinação por Krsna, mas quando ela abusa de tal independência, torna-se vimukha (indiferente) a Ele. E é justamente esta indiferença de dá origem aos desejos no coração da jiva para desfrutrar de maya. Assim ela desenvolve o falso ego, com o qual pode desfrutar a gratificação dos sentidos materiais.
Srila Bhaktivinode na infância
Jaiva-Dharma , cap. 16
de Srila  Bhaktivinoda Thakur


 

 

O que é mais querido para o ser vivo?

Sri Sukadeva Gosvami responde: "Para todo o ser criado o que há de mais querido sem dúvida é o próprio eu. O afeto a tudo o mais - filhos, riqueza e assim por diante - deve-se apenas ao afeto pelo eu".

  Como se explica neste verso, a entidade viva serve à sociedade, à nação, à família e assim por diante só porque estes objetos de afeição representam o conceito expandido do falso ego.
Srimad Bhagavatam 10.14.50

A importância do karma


Os seres vivos neste mundo são forçados a experimentar as consequências de sua própria atividade anterior. S.B. 10.24.15
É em virtude da força do karma que uma entidade viva nasce, e é pelo karma que ela se depara com a destruição. S.B. 10.24.13

Porque é o karma que faz com que a entidade viva condicionada aceite e depois abandone diferentes corpos materiais de categoria inferior ou superior, esse karma é seu inimigo, amigo, e testemunha neutra, seu mestre espiritual e senhor controlador. S.B. 10.24.17

O fio dourado no peito de Krishna


  A deusa da fortuna, que vive em Vaikunta no peito do Senhor Narayana, certa vez desejou ser abraçada por Sri Krishna, e a fim de conseguir esta benção, executou severas austeridades. Sri Krishna explicou-lhe que seu verdadeiro lugar era em Vaikunta e que não era possível que ela morasse junto a Seu peito em Vrndavana. Ela, portanto, suplicou a Krishna que Lhe permitisse permanecer em Seu peito sob a forma de um fio dourado, e Ele concedeu esta benção.






Palavras de Visvanatha Cakravarti Thakura

O que Srila Prabhupada fala sobre o karma?

  Aquilo que chamamos de destino, sorte ou karma não passa de um sistema elaborado e sutil de recompensas e castigos com o fim de incentivar gradualmente as almas condicionadas a evoluir até o nível de consciência perfeita , que é sua natureza constitucional original.
S.B.10.24.14

Porque deveriam as jivas sofrer por causa dos passatempos de Bhagavan?


   As jivas possuem uma certa independência. Estando indiferente a Krsna, a jiva tornou-se impura ao dedicar-se a gratificação dos sentidos mundanos. Por esta razão, ela deve ser purificada ao ser golpeada com os martelos da miséria na bigorna deste mundo material. Por este processo, a miséria das jivas avessas a Krsna finalmente culmina em felicidade. Portanto, o sofrimento é somente um sinal da misericórdia de Bhagavan. É por causa disto que as pessoas inteligentes veem o sofrimento das jivas nos passatempos de Krsna como auspicioso.
Jaiva-Dharma cap. 16.

Por que não podemos perceber diretamente a alma?

    Porque nossa consciência está coberta pelo falso ego, que é a identificação falsa com o mundo material e com o corpo material. Todavia, é a própria consciência da alma que ilumina o falso ego. A energia da alma é a consciência, e quando esta consciência se manifesta através do véu do falso ego, ela aparece como consciência material opaca, em que não há visão direta da alma nem de Deus.
S.B.10.20.19