Quando se pode abandonar um Guru?

Apenas em duas circunstâncias:
Primeira: É dever de alguém deixar um guru que não pode ensinar o discípulo o que ele deveria ou não fazer, e que toma o caminho errado, ou faz por causa de má associação ou porque ele é oposto aos Vaisnavas. Por conseguinte, de acordo com as regras do sastra, deve-se tomar mantras novamente de um guru Vaisnava.
Segunda:Se ele foi um Vaisnava que conheceu a verdade espiritual e princípios quando o discípulo o aceitou, mas que mais tarde tornou-se um Mayavadi ou um inimigo dos Vaisnavas por influência de asat-sanga (más companhias).É dever de alguém deixar tal guru.

Obs - Não é apropriado deixar um guru cujo conhecimento é escasso, se ele não é um Mayavadi ou um inimigo dos Vaisnavas e não está apegado a atividades pecaminosas. Neste caso, deve-se respeitá-lo como guru, e com sua permissão, deve-se ir a um outro Vaisnava que é mais esclarecido, servir este Vaisnava e tomar instruções dele.
Bhaktivinoda Thakur

Como deve um Bhakta (devoto) comportar-se em relação aos seguidores de outras religiões?


Essa pergunta é respondida no Jaiva-Dharma de Srila Bhaktivinoda Thakur, cap. 8:
 
  Todos os outros dharmas (religião) que estão ou sempre irão ser propagados no mundo são outro caminho dos degraus de vaisnava-dharma, ou outra distorção disto. Não há outro dharma a não ser vaisnava-dharma. Àqueles dharmas que são passos guiando a bhakti devem ser respeitados na proporção de seu grau de pureza. Não se deve sustentar qualquer malícia pelos dharmas que são distorcidos de bhakti, mas deve-se focalizar exclusivamente no foco de suas próprias verdades devocionais. Quando o tempo estiver maduro, os seguidores de outros dharmas irão tornar-se Vaisnavas facilmente.

Como deveria alguém saber em qual dos sastras (escrituras) ter fé ?


  A fé nos sastras é a raíz de todas as auspiciosidades. Os sattvika-sastras são para pessoas que são imbuídas com a natureza da bondade; os rajasika-sastras são para aquelas envolvidas com a natureza da paixão e os tamasika-sastras são para aqueles absorvidos na natureza da ignorância.

  Seres humanos tem diferentes naturezas e fés de acordo com seus diferentes níveis de adhikara (elegibilidade). Acredita-se em uma particular conclusão dos sastras de acordo com a fé. Não se deve criticar ninguém, porque a fé depende da adhikara (elegibilidade) de cada um. Todos estão trabalhando de acordo com a sua própria elegibilidade e eles irão avançar gradualmente quando for o tempo apropriado. Fonte : Jaiva-Dharma, cap. 5.



"Assim como abelha tira néctar de todas as flores, pequenas e grandes, um ser humano inteligente deve aceitar a essência de todas as escrituras religiosas."
(Srimad-Bhagavatam 11.8.10)

Onde no(a) Bhagavad-gita (A Canção do Senhor) fala em reencarnação?


"Assim como, neste corpo, a alma corporificada passa seguidamente da infância à juventude e à velhice, do mesmo modo, na hora da morte, a alma passa para outro corpo. A alma autorrealizada não se confunde com essas mudanças." (Bg.2.13)

Quem é o acarya da Brahma-sampradaya ou Madhva-Gaudiya-sampradaya ?



  É Madhva Muni ou Madhvacarya (1239 - 1319 d.C). Ele estabeleceu uma classe de filosofia Vedanta chamada suddha-dvaita (dualismo puro) em seu Purnaprajña-bhasya, descrevendo três entidades: o Senhor, a jiva (ser vivo) e o mundo material, garantindo que o Senhor e as jivas são eternamente distintos. Defendia que o Senhor é transcendental ao mundo material, que é um produto de sua energia inferior e que as jivas são diferentes da matéria, pois elas são a energia superior ou espiritual, do Senhor. Dizia que as jivas são servas de Deus e dependentes dEle. Madhva explica que cada pessoa molda o seu próprio karma, e que, através de bhakti, podemos eliminar todo o nosso karma e voltar a posição original de servir ao Senhor no mundo espiritual. Estudou os Vedas com o seu compilador , Vyasadeva, nos Himalayas. Ele era uma encarnação de Hanuman, Bhima e Vayu .

  Sri Madhva Acarya é também conhecido como Sri Gauda-purnananda, e portanto o nome Madhva-Gaudiya-sampradaya é bastante apropriado para a sucessão discipular dos Gaudiya Vaisnavas.

Como o vaisnava-dharma é eterno se ele surgiu com Sri Caitanya ?


  Vaisnava-Dharma tem existido desde o exato momento do aparecimento da jiva (ser vivo). As jivas são anadi porque elas não tem início no tempo material. Tão logo apareceu o Senhor Brahma, a vibração do som védico, que é a base do vaisnava-dharma, também veio a se manifestar. Brahma foi o primeiro vaisnava. Sriman Mahadeva também é um vaisnava, como também o são todos os progenitores da espécie humana. Sri Narada Goswami, que nasceu da mente de Brahma, é um vaisnava. Isso comprova claramente que este vaisnava-dharma não é um desenvolvimento recente, mas tem estado prevalecente desde o início da criação. (Srila Bhaktivinoda Thakur, em seu Jaiva-Dharma em 1896).

Qual a função do mundo material ?

    O universo material é criado pela vontade de Krishna, somente para facilitar o desfrute material das baddha-jivas (seres vivos limitados); ele é somente uma prisão, e não uma residência eternas dos seres vivos.

Jaiva-Dharma, de Srila Bhaktivinoda Thakur