Quem pode ou não fazer caridade?

"Os estudiosos eruditos não louvam a caridade que põe em perigo a própria subsistência de alguém. Caridade, sacrifício, austeridade e atividades fruitivas são possíveis para quem tem condições de subsistir adequadamente. [Elas não são possíveis para aquele que não pode manter-se]". Srimad-Bhagavatam 8.19.36

Quais as três classes de homens?

sarva-kama : aquele que quer desfrutar intensamente deste mundo material.
moksha-kama: aquele que tenta libertar-se deste mundo material.
akama: aquele que satisfez todos os seus desejos e não lhe resta nenhum desejo material.

"Quer alguém deseje tudo ou nada, ou caso deseje imergir na existência do Senhor, ele só será inteligente se adorar o Senhor Krishna, prestando-lhe transcendental serviço amoroso".Bhag. 2.3.10

Como também é conhecida a devoção a Sri Krishna?

sudha-vaisnava-dharma (devoção pura)
 
nitya-dharma (função eterna)
 
jaiva-dharma (a função constitucional das jivas)
 
bhagavata-dharma (a religião de adoração da Suprema Pessoa)
 
pamartha-dharma (a religião que se esforça para o benefício último)
 
para-dharma (a função suprema)

Bhagavān (Deus) alguma vez interfere na independência da entidade viva?


Bhagavān nunca interfere na independência de ninguém, pois Ele não é o destruidor de cetana-dharma, o estado de jurisdição natural e inata da alma. A entidade viva não é criada, ela é uma entidade eterna. A alma também não é inerte, ao invés disso ela é consciente. A independência que a entidade viva possui não foi concedida por ninguém, pois é inata à sua existência. A alma somente experimenta o sofrimento devido ao mal uso de sua independência.



Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura

Quando alguém obtém uma visão momentânea de Bhagavān (a pessoa de Deus) em seu coração?


  Por boa fortuna, podemos perceber Srī Gurudeva passeando no nosso coração – ou seja, podemos ter o darśana (visão) de Gurudeva aqui dentro. Somente num coração puro assim, pode ocorrer a visão momentânea (sphūrti) de Bhagavān. Não há outro meio de alcançar o serviço ao Senhor Supremo a não ser servindo e satisfazendo o Guru, aquele que dá a inspiração para que nos ocupemos em servir Śrī Bhagavān de todas as maneiras e em cada atividade.


Fonte: Śrīla Prabhupādera Upadeśāmṛta- por Śrīla Bhaktisiddhānta Sarasvatī Ṭhākura Prabhupāda

Qual a origem da vaca surabhi?


  Ela surge quando os semideuses e asuras (demônios) estavam batendo o oceano de leite (Bg.8.8.1). Essas vacas são encontradas geralmente nos planetas Vaikuntha. Krishna ocupa-Se em Seu planeta em apascentar as vacas surabhi. Elas são os animais de estimação do Senhor. Delas pode-se tirar tanto leite quanto se necessite, e podem-se ordenhar essas vacas quantas vezes se deseje. O Bhagavad-gita (18.44) recomenda a proteção à vaca.

Quais os tipos de religião (dharma) propagados no mundo?

Srila Bhaktivinoda Thakur responde: eles podem ser divididos em três categorias:
 
1.Anitya-dharma - é a religião impermanente ( não fala sobre a existência de Deus ou da alma).
2.Naimittika-Dharma - é a religião circunstancial (admite a eternidade da alma e a existência de Deus, mas busca Seu favor material temporário).
3.Nitya-dharma - religião eterna (esforça-se por obter o serviço a Bhagavan (a pessoa de Deus) por intermédio de prema genuíno(amor transcendental)).




Por que é necessário cantar sri-nama (Santos Nomes) continuamente?

  O eu interno é oposto a Krishna por natureza, e por esta razão não tem gosto por pessoas santas ou parafernália auspiciosas. Sua inclinação natural é em direção de pessoas desmerecedoras, coisas, conclusões e atividades. Contudo , se ele sempre canta sri-nama, ele não irá ter tempo para associação indesejada e atividades, e por que ele não está em má associação, seu cantar de sri-nama irá gradualmente tornar-se puro e dar-lhe um sabor por objetos auspiciosos.
Jaiva-Dharma - cap. 25.

O que é a mente?

  A mente é material: faz parte da potência material. Isso também é esclarecido no (Bhagavad-gita 7.4)
   A natureza da mente é a especulação mental. Isso nada tem a ver com a verdade. Isso é obtido do mundo material, o mundo da concepção errônea. A mente está cheia de concepções equivocadas. A mente não pode atingir o estágio de sentir ou perceber a verdade propriamente dita. Somente se relaciona com coisas mundanas ou com a exploração.
   Mas a mente pura não é um produto de sraddha(fé)?
   A mente não pode ser pura, assim como um fóssil não pode produzir vida. Do mesmo modo, a mente não pode produzir fé. Fé é original e fundamental. Quando o Senhor Supremo aparece no coração, a mente desvanece. Realidade é exatamente o oposto. Com o aparecimento da consciência pura a verdade aparece, e a especulação mental desvanece.
  Mente, inteligência e ego são sutis; mas são materiais. A alma é transcendental. A potência pessoal do Senhor, o Serviço Divino, e Goloka-Vaikuntha são todos supra-mundanos e transcendentais –situam-se do outro lado da alma, e não no lado inferior onde se encontra a mente. A mente emerge do ego, ou seja, do falso ego, e se compõe da tendência exploradora. Precisamos alívio desta mente. Estamos rodeados por pensamentos venenosos. Na narrativa do Tridandi-sannyasi no Srimad-Bhagavatam 11.23.45, todas as disciplinas têm em comum que a mente deve ser controlada.





Por Sua Divina Graça Srila Bhakti Rakshak Sridhar Dev-Goswami Maharaj

Qual o significado da suástica?


   O símbolo sagrado do Senhor Surya (o semideus do Sol) é a suástica, o qual representa as quatro fontes da vida e do conhecimento. É um dos 108 símbolos de Vishnu - e representa ali os raios do Sol, sem os quais não haveria vida. A palavra “suástica” vem do sânscrito e significa “aquilo que traz boa sorte”. É usada como sinal auspicioso. A sua raiz, “Svas”, quer dizer bondade.
  Os primeiros Arianos (pessoas elevadas espiritualmente) olharam para o Sol como sendo a origem da energia da vida. De fato, tudo o que vive na Terra deve-se a presença do Sol. Um símbolo especial para visualizá-lo, e que representa a energia do Sol é a suástica. Os Hindus desenham a suástica em vermelho sobre documentos de negócios e nas roupas da noiva para uma boa sorte. Eles também a desenham nos muros e soleira da porta de suas casas para dar energia ao ambiente. A figura deste símbolo foi criada a partir dos quatro pontos cardeais, nos quais as varinhas são colocadas para dar início aos sacrifícios de fogo védicos.